Centro Espacial de Alcântara precisa decolar, diz senador

Roberto Rocha garantiu que o Congresso Nacional irá apoiar o Acordo de Salvaguarda entre Brasil-EUA

46092875461_7f2b6ab079_k

Representantes das Forças Armadas brasileiras se reuniram com o senador Roberto Rocha, em Brasília, para solicitar apoio para que que seja aprovado no Congresso Nacional o Acordo Salvaguarda Tecnológico (AST) com os Estados Unidos. O acordo permitirá o lançamento, a partir do Centro Espacial de Alcântara, de objetos espaciais que contenham componentes norte-americanos e atende aos interesses do Programa Espacial Brasileiro.

Na avaliação do congressista, o Maranhão será totalmente sócio dos investimentos internacionais que serão aplicados em Alcântara. “Não se trata de entregar a base para os EUA. Pelo contrário. O Maranhão vai participar criando um ambiente de negócios e segurança jurídica para permitir que a Base de Alcântara seja transformada em um verdadeiro complexo aeroespacial, com geração de milhares de empregos aos maranhenses, renda, capacitação de profissionais de todo o Brasil”, explicou.

O uso do Centro Espacial de Alcântara em parceria com Estados Unidos, Europa e países asiáticos vai assegurar também ao Maranhão royalties, que serão aplicados em todo o Estado. “É uma quantia inimaginável que pode cair direto no cofre das prefeituras, permitindo mais recursos para construção de hospitais, novas escolas, melhorias na iluminação pública, estradas e muito mais. Tudo isso é desenvolvimento econômico”, frisou Roberto Rocha.

O presidente da Comissão de Coordenação e Implantação de Sistemas Espaciais das Forças Armadas, Tenente-Brigadeiro Luiz Fernando Aguiar está otimista quanto as posições do parlamentar maranhense. Na opinião dele, o Brasil tem uma ótima oportunidade para finalmente decolar no programa espacial.

“O setor espacial mundial vai arrecadar US$ 350 bilhões e o Brasil não participa nem de 0,5%. Estamos atrás da Argentina. Com o Acordo de Salvaguarda, teremos condições negociar com empresas internacionais e os investimentos no Maranhão podem chegar, por baixo, a US$ 140 milhões no primeiro ano, mas rapidamente, os valores vão chegar na casa dos bilhões de dólares de investimentos”, destacou.

A fabricação e montagem de equipamentos espaciais no Maranhão voltado para o mercado internacional pode ajudar a transformar ainda mais a economia do estado, por meio da criação da Zona de Exportação do Maranhão (ZEMA) de autoria do senador Roberto Rocha. “Tudo que for produzido na Ilha de São Luís e em Alcântara e exportado, via Porto do Itaqui, para o comércio mundial, não seria taxado pelo governo brasileiro. Logo, o Maranhão ganha novos postos de trabalho, mudança de verdade na qualidade de vida das pessoas e melhoria nos índices socioeconômicos do estado”, disse o senador.

46042785822_b508870933_k

SOBERANIA NACIONAL

Roberto Rocha destacou que o Brasil não fere a soberania com a presença o trabalho de países estrangeiros em solo maranhense. “O acordo entre Brasil e Estados Unidos não prevê cessão de território, restrições de acesso ou controle de Alcântara por um ou outro país. Ele é meramente um acordo de proteção de tecnologia na área espacial e que vai gerar desenvolvimento econômico e colocar o Maranhão e o Brasil no patamar mais alto da indústria aeroespacial”, destacou o senador.

Receba Publicações

Estudantes de Direito que têm interesse em receber o exemplar do Novo Código de Processo Civil (CPC), cadastrem-se e recebam gratuitamente.

Cadastre e receba
Para sugerir um projeto, enviar um recado ou pedir uma entrevista.