CPI: participantes de audiência pública discutem atuação do BNDES

Na avaliação de Roberto Rocha, o investimento do banco direcionado ao exterior deveria ter sido feito no Brasil

Roberto Rocha

O papel do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) no crescimento do país foi tema de debate na tarde desta quarta-feira (20), durante audiência pública promovida pela CPI que investiga as operações da instituição.

O senador Jorge Viana (PT-AC) afirmou que durante o governo do ex-presidente Lula (2003-2010), o Brasil registrou um crescimento econômico de quase 4,5% ao ano e o BNDES foi muito importante no estímulo à economia durante aquele período.

— Não podemos reclamar da presença do BNDES. É um dos maiores bancos de desenvolvimento do mundo — afirmou Jorge Viana.

O professor Ney Ottoni de Brito, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), falou sobre o mercado de capitais e propôs uma reflexão sobre a atuação do BNDES como um banco de fomento público. Ele disse que há uma discussão acadêmica sobre a existência e o papel do BNDES. Segundo o professor, o banco recebe críticas por ocupar uma parte do financiamento que deveria ser resolvida pelas próprias empresas privadas. Ele defendeu, no entanto, uma participação mais ativa do BNDES nas empresas na parte da renda variável e em setores como saúde, educação e infraestrutura.

— Acredito que ainda é importante para o Brasil ter um banco público de fomento — declarou.

O relator, senador Roberto Rocha (PSB-MA), disse que a CPI respeita o BNDES. Ele criticou, no entanto, o financiamento de obras de infraestrutura em outros países, como fruto de decisões políticas. Na visão do senador, o investimento direcionado ao exterior deveria ter sido feito dentro do Brasil.

Em resposta, a superintendente da Área de Controladoria do BNDES, Vânia Maria Borgerth, negou que o banco tenha deixado de investir internamente para priorizar projetos em outros países. Segundo Vânia, durante um certo período, houve poucos projetos relevantes na área de infraestrutura para o interior do país.

Desenvolvimento

Vânia Borgerth disse também que o BNDES contribui de forma positiva para o desenvolvimento. Ao responder ao senador Roberto Rocha, ela disse que a CPI é uma oportunidade de mostrar o valor do banco e acrescentou que BNDES buscará ressarcimento se ficar provado que houve fraude e prejuízo para a instituição. Ela afirmou, porém, que o BNDES está preocupado em não prejudicar as empresas que foram financiadas.

— Se algum dirigente tem culpa, que ele pague. Mas estamos preocupados com a sobrevivência das famílias dos trabalhadores que dependem dessa empresa —registrou.

 

 

Fonte: Com informações da Agência Senado

tags:

Receba Publicações

Estudantes de Direito que têm interesse em receber o exemplar do Novo Código de Processo Civil (CPC), cadastrem-se e recebam gratuitamente.

Cadastre e receba
Para sugerir um projeto, enviar um recado ou pedir uma entrevista.