Roberto Rocha: acordo de Salvaguardas em Alcântara vai gerar novas oportunidades ao Maranhão

Senador participa da solenidade de assinatura do acordo com o presidente Jair Bolsonaro e representes do governo dos Estados Unidos

RR_EUA

O presidente Jair Bolsonaro assinou nesta segunda-feira (18), em Washington, o acordo de Salvaguardas Tecnológicas com os Estados Unidos, que permitirá ao governo norte-americano e países signatários a explorar comercialmente o Centro Espacial de Alcântara (MA). Em contrapartida, o governo brasileiro terá um aumento considerável dos negócios voltado para o mercado de lançamento de satélites, geração de recursos, capacitação, progresso e aprofundamento das atividades espaciais.

O interesse mundial em Alcântara é em função da posição geográfica privilegiada para o lançamento de foguetes de satélites, o uso comercial da base aérea brasileira pode significar uma redução de até 30% no uso de combustível, em comparação com outros centros de lançamento que estão em pontos estratégicos mais distantes da zona equatorial da Terra.

Na avaliação do senador Roberto Rocha, o Maranhão está inserido no acordo. “O Salvaguardas representa um grande avanço comercial entre os dois países. O Brasil e o Maranhão, por meio da Base de Alcântara, serão sócios dos países e das empresas aeroespaciais internacionais que desejarem atuar no complexo aeroespacial brasileiro, sem ferir a soberania nacional. O nosso país vai aproveitar para desenvolver sua própria tecnologia espacial e entrar no mercado bilionário de lançamento de satélites”, disse.

BaseMA

As Forças Armadas brasileiras estimam que no primeiro ano o Brasil pode atrair cerca de US$ 140 milhões em novos investimentos, mas rapidamente os valores podem chegar na cifra dos bilhões de dólares. “O setor aeroespacial mundial arrecadou US$ 350 bilhões em 2018 e o Brasil não participou nem de 0,5% desses ganhos. Com o acordo salvaguarda, teremos condições de criar novos ambientes de negócios com empresas internacionais e garantir a presença delas em território brasileiro”, afirmou, em novembro do ano passado, o presidente da Comissão de Coordenação e Implantação de Sistemas Espaciais das Forças Armadas, Tenente-Brigadeiro, Luiz Fernando Aguiar.

A fabricação e montagem de equipamentos espaciais no Maranhão pode ajudar a transformar ainda mais a economia do estado. “Estamos falando na abertura de um novo complexo industrial, com a instalação de fábricas e empresas internacionais no Maranhão, o que deve gerar milhares de novos postos de trabalho, além de abrir um novo horizonte para o futuro do programa espacial brasileiro”, destacou Roberto Rocha.

SOBERANIA NACIONAL

O acordo de Salvaguardas Tecnológicas não fere a soberania do território brasileiro, uma vez que não prevê cessão, restrições de acesso ou controle de Alcântara por outras nações. “O Brasil participa de todo o processo e sem barreiras. Ao viabilizar Alcântara para o mundo, decolamos o Maranhão”, celebrou o senador Roberto Rocha. Após assinatura, o Congresso Nacional precisará ratificar o acordo.

rr_jb

Jair Bolsonaro: “Agora o Maranhão vai decolar”.

Receba Publicações

Estudantes de Direito que têm interesse em receber o exemplar do Novo Código de Processo Civil (CPC), cadastrem-se e recebam gratuitamente.

Cadastre e receba
Para sugerir um projeto, enviar um recado ou pedir uma entrevista.