O Tombo da Justiça. Imagine se o Governo resolvesse modernizar o aeroporto de São Luis ou a rodoviária de sua cidade. A julgar pela decisão da juíza de Balsas, isso não seria possível, por conta do possível valor histórico do prédio.

A juíza da comarca de Balsas acaba de conceder liminar proibindo a prefeitura de fazer uma obra de modernização completa no mercado público, que está caindo pelas tabelas, com graves problemas estruturais. Além do que o prédio não tem qualquer valor histórico, pois jamais foi pedido seu tombamento.

É um mercado, ao contrário do de Caxias – que está sendo reformado com emenda do senador Roberto Rocha – não possui nenhuma qualidade arquitetônica que mereça ser preservada. É um galpão estragado pelo tempo.

Trata-se, portanto, de um espasmo de saudosismo da Juíza que não se justifica, porquanto o novo mercado será construído no mesmo local, mantendo a tradição de ponto de encontro da cidade, em condições muito melhores para os feirantes e os consumidores.

É o preço que estamos pagando pela judicialização da política. Ou agora cabe à Justiça definir as políticas públicas a serem executadas, e não a quem obteve um mandato popular concedido soberanamente pela população?